top of page
Search

A ansiedade nas crianças e adolescentes: Que sinais observar e como intervir


A ansiedade é uma resposta natural do corpo humano, quando este experiencia situações de stress, tais como falar em público, fazer uma prova ou enfrentar um desafio. No entanto, quando essa resposta se torna excessiva, persistente e interfere na vida quotidiana da criança ou adolescente, pode ser um sinal de perturbação de ansiedade.


De acordo com o National Institute of Mental Health (NIMH), a perturbação de ansiedade afeta cerca de 32% dos adolescentes nos Estados Unidos. A ansiedade pode afetar a capacidade destes se concentrarem, se comunicarem e interagirem com os outros. Também pode afetar a sua saúde física, podendo levar a que experienciem distúrbios do sono, dores de cabeça e problemas gastrointestinais.


Também a Organização Mundial da Saúde (OMS), refere que cerca de 10% das crianças e adolescentes em todo o mundo sofrem de perturbações de ansiedade.

Neste artigo, vamos explorar as causas, sintomas, prevenção e intervenção, nesta população, em particular.


Causas da ansiedade em crianças e adolescentes

A ansiedade pode ter múltiplas causas, relacionadas com fatores genéticos, ambientais e psicológicos.

Algumas crianças podem ter uma predisposição genética para desenvolver perturbações de ansiedade, enquanto outras podem desenvolver ansiedade em resposta a eventos stressantes, como por exemplo, um divórcio dos pais, mudança de escola, morte de um ente querido, abuso ou violência.

Além disso, a ansiedade pode ser desencadeada por questões psicológicas, como baixa autoestima, perfeccionismo, pensamento catastrófico, falta de habilidades sociais e de resolução de problemas, entre outros.


O estilo de parentalidade também pode influenciar a experiência de ansiedade nas crianças e adolescentes, sendo que estilos parentais caracterizados por uma maior superproteção, crítica constante, falta de limites e regras claras, estão associados a uma maior probabilidade da criança ou adolescente experienciar ansiedade.


Sintomas de ansiedade em crianças e adolescentes

Os sintomas da ansiedade podem variar de acordo com a idade e personalidade da criança ou adolescente. No entanto, alguns sintomas comuns incluem:

  • Preocupação excessiva com o futuro ou o passado

  • Medo ou evitamento de situações sociais ou escolares

  • Irritabilidade ou impaciência

  • Dificuldade em dormir ou experiência de pesadelos frequentes

  • Mudanças de humor repentinas ou manifestações de raiva

  • Dificuldades de concentração

  • Dores de cabeça, dores de estômago, náuseas, tonturas ou tremores

Prevenção da ansiedade em crianças e adolescentes

A prevenção da ansiedade em crianças e adolescentes pode envolver a identificação precoce dos fatores de risco, bem como o ensino de habilidades sociais e emocionais para lidar com o stress.

Os pais podem ajudar os seus filhos a desenvolver habilidades de resiliência e autoconfiança, incentivando-os a enfrentar desafios e a lidar com a frustração e a derrota. Além disso, os pais devem incentivar o equilíbrio entre o tempo de estudo e atividades de lazer, tais como brincadeiras e exercícios físicos.


Tratamento da ansiedade em crianças e adolescentes

O tratamento da ansiedade em crianças e adolescentes pode basear-se na terapia cognitivo-comportamental, farmacologia ou combinação de ambos. A terapia cogitivo-comportamental (TCC) é uma abordagem terapêutica que ajuda as crianças e adolescentes a identificar pensamentos automáticos negativos e distorcidos que alimentam a ansiedade, e ensina habilidades para modificar esses pensamentos ou a relação que mantém com eles, e mudar comportamentos de resposta à ansiedade. A TCC também pode ajudar as crianças e adolescentes a desenvolver habilidades sociais e emocionais para lidar com situações desafiantes e resolver problemas de forma eficaz.

Em alguns casos, a medicação pode ser necessária. Os medicamentos mais comummente prescritos incluem antidepressivos, ansiolíticos ou betabloqueadores. No entanto, é importante lembrar que a medicação deve ser sempre prescrita por um médico e acompanhada por terapia e acompanhamento adequados.

Além da terapia e medicação, os pais e familiares podem ajudar as crianças e adolescentes a lidar com a ansiedade, providenciando apoio emocional e incentivando a sua participação em atividades que promovam o relaxamento e o bem-estar, como yoga, meditação ou exercícios de respiração. É importante lembrar que cada criança ou adolescente é única/o e o tratamento deve ser adaptado às necessidades individuais apresentadas.

Aqui estão algumas dicas adicionais para ajudar as crianças e adolescentes a lidar com a ansiedade:

  • Ensine-lhes técnicas de respiração profunda e relaxamento

  • Ajude-os a identificar pensamentos negativos e a substituí-los por pensamentos positivos

  • Promova a atividade física e uma alimentação saudável

  • Limite a exposição de crianças a notícias negativas ou violentas, especialmente antes de dormir

  • Encoraje a prática de hobbies e atividades divertidas, para ajudar as crianças e adolescentes a distrair-se e encontrar prazer nas atividades

  • Esteja disponível para ouvir e apoiar os seus filhos, sem julgamento ou crítica


É importante que os pais não desvalorizem os sintomas de ansiedade dos seus filhos, nem os pressionem para "superar" a ansiedade. Em vez disso, os pais devem validar as suas emoções e encorajá-los a procurar ajuda profissional, se necessário.

Em suma, a ansiedade em crianças e adolescentes é um problema comum, mas com tratamento. Identificar os fatores de risco, sintomas e procurar ajuda profissional pode fazer uma grande diferença na vida da criança ou adolescente e prevenir problemas futuros.

A sua prevenção e tratamento envolvem uma abordagem multidisciplinar, que pode incluir intervenção psicológica para a criança ou adolescente e treino parental, e intervenção farmacológica. Com o tratamento adequado, as crianças e adolescentes podem aprender a controlar a ansiedade e a desenvolver habilidades sociais e emocionais para lidar com situações desafiantes ao longo das suas vidas.

14 views0 comments
bottom of page