top of page
Search

Parentalidade: Desafios de ser mãe/pai expat


Eu, você e vários outros pais e mães imigrantes, em algum momento, nos questionamos se a nossa escolha de trazer/ter filhos noutro país os beneficiará a longo prazo.

Não é uma questão simples e torna-se importante - para a saúde mental das mães e pais - aceitar essa dúvida, refletir sobre ela e construir estratégias para gerir esses pensamentos e emoções no processo de imigração.

Para pensarmos juntos, listei abaixo 4 angústias que mães e pais expatriados vivem, e também estratégias para lidar com elas de uma forma positiva.


  • O relacionamento com a família no país de origem é diferente

Morar longe muda a natureza do relacionamento dos filhos com as nossas famílias. As interações presenciais são pouco frequentes, mas também podem ser muito intensas quando acontecem. A preocupação mais comum é a de que os nossos filhos estejam a perder por não terem o envolvimento nas suas vidas de outros adultos que os amam incondicionalmente e por terem menos relacionamentos de quase-irmãos com primos.

O que pode fazer:

Encorajar ao máximo a interação possível entre a família (avós, tios, primos) em chamadas de vídeo, troca de mensagens, áudios.

Estimular a aprendizagem do idioma do país de origem do pai/mãe para conseguir comunicar-se sem intermediário com os parentes.


  • Eles estão constantemente a despedir-se

É uma das duras realidades da vida do imigrante, quer crianças, quer adultos – eventualmente estamos nos a despedir. Uma preocupação é a de se às vezes eles não se aprofundarem em relacionamentos de amizade, com parentes ou com pessoas do nosso país de origem, para minimizar a dor quando estas amizades são alteradas pela distância.

O que pode fazer:

Encorajá-los a manter esse contato com amigos que se mudaram, empenhe-se quando possível para encontrar amigos e familiares que estejam mais próximos.


  • Eles terão raízes em dois mundos

Os seus filhos terão uma experiência de infância/adolescência bem diferente da sua. Crescer num ambiente internacional, ou seja, viver uma ou mais culturas dentro de casa que é diferente da cultura do país em que se vive, traz oportunidades mas também desafios, inclusive para as crianças. Desde o bilinguismo, a adaptação ao ambiente social, as demandas escolares, etc..

O que pode fazer:

Preparar-se emocionalmente para isso, mostrando que essas diferenças existem e que está tudo bem. Como família eles terão o seu apoio para vivê-las.


  • Eles não têm senso de pertença

Às vezes os filhos têm passaporte de dois países, mas nunca viveram em nenhum deles. A conexão com a sua identidade pode ser difusa, sentindo-se parte de nenhum lugar. Na adolescência, quando um sentimento de pertença e encaixe se torna cada vez mais importante, as dúvidas sobre isso podem aumentar.

O que pode fazer:

Consciencializá-los sobre a realidade da sua família: como se sentem em ser uma família intercultural, ou uma família de uma nacionalidade vivendo noutra cultura. Fortalecer a abertura à diversidade cultural, valorizando essa particularidade da vossa história.

No final das contas, não somos diferentes da maioria dos pais ao redor do mundo; imigrantes, expatriados ou não. Estamos a tentar tomar as melhores decisões para os nossos filhos com os recursos que estão disponíveis para nós. A experiência dos nossos filhos é o que é e nada jamais mudará isso. Por isso, estamos focados em ajudá-los a entender o que isso significa para eles, para que possam tirar proveito dos seus pontos fortes únicos, e para que tenham estratégias para lidar com as desvantagens associadas.

8 views0 comments

Comments


bottom of page