top of page

“O que acontece às pessoas quando morrem?”



Todos desejamos proteger os nossos filhos das perdas, mas infelizmente não conseguimos. Elas fazem parte daquilo que significa viver. Muitas vezes, damos por nós a deixar as crianças fora de conversas sobre a morte. Evitamos ou hesitamos falar dela, para além de termos medo de perturbarmos ou assustarmos as nossas crianças ou receosos que eles não consigam, simplesmente compreender o conceito de morte.


Muitos tipos de perdas vão ocorrer durante a infância. A morte de um animal de estimação pode ser o primeiro. E começam a surgir as perguntas: “Porquê?”, “Para onde é que ele foi?”, “A culpa foi minha?”. A morte de um familiar ou a ausência súbita de um amigo. Cada um destes tipos de perda exige que a criança lide com emoções que não lhe são familiares e que se encontram dentro de si mesma. Irão surgir incertezas e muitas dúvidas.


As crianças em idades pré-escolares vão desenvolver uma compreensão da morte através do luto dos próprios pais. Eles atravessam fases previsíveis de choque, negação, raiva, depressão, e negociação e aprendizagem de como lidar com a dor a um nível diferente; estas fases vão inevitavelmente levar à aceitação. Mas a capacidade de uma criança lidar com estes sentimentos e com a dor é mais limitada.


Um progenitor sem respostas é algo a que as crianças não estão habituadas. A rotina e a estrutura que a criança conhece é alterada e isto, pode gerar um sentimento de insegurança. Nos primeiros anos de vida, a criança luta para perceber que as pessoas importantes voltam quando se vão embora. Mas, infelizmente, nem sempre isto acontece.


-“O avô foi embora”

- “Embora para onde? Porquê? Porquê é que o avô nunca mais veio brincar comigo? O que aconteceu ao avô?”


E perante estes cenários de perda, inevitavelmente surge o medo de perder todas as outras pessoas que lhe são importantes e pode, também, surgir uma perceção de vulnerabilidade sobre si mesma.


Então e como é que podemos falar com as nossas crianças sobre a perda?

  1. Escute - deixe que a criança faça todas as perguntas que tem dentro de si.

  2. Responda de forma honesta e direta – as perguntas podem não ter resposta, mas partilhá-las é muito importante.

  3. Explique que a morte é algo irreversível. Seja claro sobre o que significa a morte, não crie falsas esperanças.

  4. Ajude a criança com a perda de controlo dela – não conseguimos controlar todas as áreas da nossa vida, não temos esse poder.

  5. Deixe que a criança fala sobre a pessoa que morreu. Celebrar alguém ajuda a manter viva a memória dessa pessoa, mas também permite que ambos lidem com a perda de uma forma mais aberta. Torna-se um acontecimento partilhado e, portanto, mais tolerável.

  6. Seja pragmático. Seja o mais concreto e científico possível. Para crianças com menos de seis anos é mais fácil se explicarmos o que significa a morte de um ponto de vista biológico.

  7. Rituais, histórias e brincadeiras ajudam as crianças a vocalizar emoções difíceis de lidar.

Não tenha medo de falar sobre a perda com os seus filhos. Fazê-lo é a chave central para a sua compreensão e integração.