top of page
Buscar

Violência doméstica: Compreensão, impacto e intervenção



A violência doméstica é uma realidade trágica que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Um fenômeno complexo que transcende fronteiras geográficas, culturais e socioeconômicas. Envolve uma série de comportamentos abusivos, incluindo violência física, emocional, sexual, econômica e psicológica. O termo “violência doméstica” é utilizado quando existe uma relação próxima entre o agressor e a vítima, normalmente da esfera familiar, de amizade, íntima, entre parceiros (as) e/ou ex-parceiros (as), entre outros.


Principais causas da violência doméstica

A violência doméstica não se manifesta apenas como agressões físicas visíveis. Apresenta-se de formas mais subtis, como insultos, manipulação emocional, isolamento, humilhações, ameaças e coerção. A violência sexual e econômica também são componentes preocupantes desse aspeto, deixando as vítimas num estado de vulnerabilidade constante. Diversos fatores são importantes para a ocorrência da violência doméstica que perpetuam ciclos de comportamentos abusivos.

Aqui estão algumas das principais causas da violência doméstica:

  1. Desigualdade de gênero: Quando há uma crença de que um gênero é superior ao outro, isso pode levar ao abuso como uma forma de manter o controle e a submissão. Quando um parceiro procura controlar o outro, seja financeira, emocional ou fisicamente, pode surgir um ambiente propício à violência.

  2. Fatores socioeconômicos: A pressão financeira, o desemprego e a instabilidade econômica podem aumentar o stress dentro de uma casa, podendo causar conflitos e, em alguns casos, violência.

  3. Histórico de violência: Indivíduos que foram expostos a violência na infância podem replicar esses padrões comportamentais nas suas relações adultas. O ciclo pode ser perpetuado de geração em geração.

  4. Abuso de substâncias: O uso de álcool e drogas pode aumentar a agressividade, contribuindo para episódios de violência doméstica.

  5. Fatores culturais e sociais: Normas culturais que aceitam a agressão como uma forma de resolver conflitos ou que minimizam a importância dos direitos das mulheres podem criar um ambiente propício à violência.

  6. Problemas de saúde mental: Perturbações psicológicas, tais como perturbações de personalidade, podem contribuir para comportamentos violentos.

A falta de educação sobre relacionamentos saudáveis, comunicação eficaz e resolução de conflitos pode contribuir para comportamentos competitivos e violentos. As causas não justificam alguma forma de violência doméstica. As mulheres constituem o maior grupo de vítimas. Contudo, homens, crianças e idosos também podem se podem constituir vítimas. A violência doméstica ocorre em todos os níveis da sociedade e em todos os grupos populacionais.


Impacto na qualidade de vida

A violência doméstica tem um impacto significativo a nível individual e social. As vítimas sofrem não apenas danos físicos e psicológicos, mas também enfrentam desafios legais, econômicos e sociais. Esses impactos perduram por muito tempo, afetando a qualidade de vida das vítimas, como traumas físicos, desenvolvimento de perturbações mentais, podendo até levar a ideação ou ato suicida, baixa autoestima, isolamento social, abuso de substâncias ou repetições de violência, traumas emocionais, dependência financeira, prejuízos na escola e no trabalho com pouca produtividade e perda de oportunidades. É crucial compreender que os impactos da violência doméstica são graves e podem ter consequências graves. É essencial que as vítimas procurem apoio, seja de amigos, familiares, profissionais de saúde mental ou organizações de apoio a vítimas de violência, a fim de iniciar o processo de tratamento e recuperação.


Iniciativas de Prevenção e Intervenção

A prevenção e o combate da violência doméstica requerem abordagens abrangentes que incluam educação, programas de treino para promover relacionamentos saudáveis, apoio econômico para potenciais vítimas, intervenção legal eficaz e tratamento para agressores a fim de interrupção ou ciclo de abuso. Por meio da consciencialização, educação e esforços contínuos, é possível não apenas apoiar as vítimas e punir os agressores, mas também trabalhar em direção a uma mudança cultural que rejeite a violência em todas as suas formas. Prevenir a violência doméstica é uma responsabilidade partilhada e um passo fundamental para construir uma sociedade mais justa e segura para todos.

O governo holandês iniciou uma campanha, com organizações para combater e prevenir a violência doméstica. Desde 1 de julho de 2013 é obrigatório que todos os profissionais de saúde, educação e serviço social que suspeitem de um caso de violência doméstica consultem e sigam um protocolo especial. O protocolo explica os cinco passos que os profissionais devem seguir se suspeitarem de violência doméstica ou abuso infantil. Para quebrar o ciclo de violência, é essencial intervir precocemente e toda a sociedade desempenha um papel crucial neste processo.

Se está preocupado(a) com alguém que possa estar a sofrer de violência doméstica, contacte essa pessoa, informe-se acerca da situação, da existência de negligência, abuso ou maus-tratos, note se avalia a pessoa como mais ansiosa, assustada ou deprimida, que o habitual. E ofereça ajuda. Adote uma postura aberta e não julgadora.


Veilig Thuis é um órgão de investigação e está disponível para aconselhamento e apoio na denúncia da violência doméstica e abuso infantil, e presta ajuda adequada. Encontra-se a sofrer de violência doméstica nos Países Baixos? Converse com alguém da sua confiança ou ligue para o Safe Home (0800-2000). Toda a situação e partilha serão mantidas em sigilo, para sua segurança.


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page